sábado, 14 de agosto de 2010

Ela que é muito bela

 

 

KY - Jacy Souza e Thúlio Jardim

Jacy e Eu, desenho artístico de Márcio Santana. Levemente editado por mim, usando o Photoshop.


“Passei o dia com teu céu. Lá fora choveu. Em mim fez sol. E você, minha flor, não era terrestre. Era o arco celestial.”


Justo hoje, no Dia do Cardiologista, eu a conheci. Ela que operou um milagre em meu coração. Fê-lo palpitante, como se eu estivesse numa das danças mais contagiantes, análoga a do frevo. E quem diria: exatamente agora, aqui no Recife, também é o dia de tal celebração! Sim, meus caros, apesar de a força do Carnaval se concentrar somente em fevereiro, mês do meu aniversário, a data presente serve igualmente de homenagem para esse ritmo musical, com marcha, maxixe e elementos da capoeira, com o frenético movimento das pernas que se dobram e estiram, e com os instrumentos típicos da orquestra – requinta, clarinetas, saxofones, pistões, trombones, hornos, tubos, taróis e o surdo. Porque o Recife tem seu próprio Dia do Frevo, escolhido com preito. A “Veneza Brasileira”, “Cidade Maurícia”, “Capital do Nordeste”, minha cidade natal e, claro, a progenitora do frevo, assim como a cidade de Olinda, são fecundas em cultura e tradição, levando no peito o emblema dessa colossal paixão, que completa mais de cem anos e traz alegria pra qualquer ser humano.

Só não é mais sobressalente que o amor que eu tenho por aquela que desvendou a alegria do meu olhar aparvalhado, como se esse passasse a existir apenas daquele momento em diante. Antes dela, era o crepúsculo total de um cego! E havia uma eterna abertura em minha alma, um sedenho que me impedia de ser a metade doce da laranja de uma possível companheira que nunca tive. Até o dia em que conheci a Jacy

Já estava na hora de uma amante aparecer para esse pobre diabo! Eu que não acreditava em anjos, eu que nunca tinha avistado um único brilhante, como crer naquilo que se punha diante de mim, afinal? Seria um delírio!? Não supunha ter tamanha sorte, jamais! Porquanto, naquela ocasião, na minha frente, havia um diamante reluzente, uma figura angelical. E fora ela quem me tirou das estatísticas de que, a cada ano, centenas de milhares de pessoas em todo o mundo morrem de morte súbita de causas cardíacas. Haja vista que, doravante, eu não mais experimentaria dores de amor. Aquela mulher a qual eu quis o gosto, no dia 14 de agosto – em que a conheci -, e que, bem antes de um beijo obsecrado, as minhas preocupações delira - com um simples sorriso! -, foi a responsável por exterminar a minha tristeza em ser sozinho. Meu coração se aquietou, nesse sentido, quando ganhou um beijo depois de um significativo olhar. Provavelmente, nesse olhar, cheio de picardia e malícia, tudo já havia começado.

Tinha sido a primeira vez que em meu interior reinavam, harmoniosamente, a bradicardia de uma serenata e a taquicardia do enleio amoroso, num só tempo! Como explicar??? Somente por meio de metáforas, pois. Eram ali o rei e rainha de mãos dadas, os opostos se complementando, ventrículos esquerdo e direito compartilhando o mesmo lugar no espaço. Apenas lamento por ela ter demorado tanto para surgir! E é realmente uma pena ela estar em outra cidade, tão distante de mim, nesta data especial. Sinto muitas saudades, mas sei que este período que passamos um do outro apartados, por terras longínquas, ainda trará muitos dividendos e felicidade para ambos. Tenho certeza que, de minha parte, saberei suportar a dor desta separação passageira, pois tenho confiança nela, pois tenho confiança no meu amor, no amor dela, no nosso amor! Sei que esse sentimento é maior e mais forte do que estas centenas de quilômetros que nos separam, e sei que, quando eu regressar, saberei compensar este período de ausência.

A certeza é tanta, se não fosse eu nem tinha firmado um compromisso, escrito alguns poemas pensando nela, entregue carta, anel e outros mimos, se eu não gostasse tanto de sua pessoa, eu não teria dividido com ela minhas angústias, pedido a mão e toda a sua atenção, com muita manha. Na manhã seguinte a do dia em que cheguei a Floresta-PE, neste ano, durante minhas conjeturadas férias de junho, logo fui preparando a surpresa. Na verdade, a primeira de uma série, que serviria pra encobrir algo maior que estaria por vir no Dia dos Namorados. Lembro, inclusive, que neste dia 12 de junho de 2010 eu escrevi um artigo neste blog, praticamente sem dizer quase nada, a fim de aumentar a curiosidade dos colegas. Havia prometido revelar do que se tratava, mas somente após o meu regresso ao Recife. Como já faz bastante tempo que estou aqui, já tá no momento de fazer a revelação.


KY - Para Toda A Vida
Primeiro, em um papel envelhecido, um poema escrito para ela, intitulado “Para Toda A Vida”. Que lhe dei poucos dias depois deu ter chegado lá, em Floresta do Navio, aproximadamente por volta do dia 8 ou 9 de junho. Caso esteja interessado(a) em lê-lo, clique na figura acima e use a lupa. Junto a esse papel, ofereci uns presentinhos, queria eu aparentar que não havia planejado nada pro Dia dos Namorados – deixando a cargo dela essa tarefa – quanta mentira! O que era mais sério estava reservado para esse dia. Uma cartinha junto a um par de anéis, entregues em Itaparica-PE. Na cartinha, um poema escrito a mão, cuidadosamente, em letras douradas. Que dizia:

KY - Anel

“A cor da aliança
É de ouro em prata reluzente
E eu te dou como compromisso
Junto aos meus melhores sentimentos
Que afloram feito a chama
Num sorriso: o mais luzente e permanente.

Isto tudo é meu acordo, não uma trama
Para te levar para uma cama.
É meu eterno acerto, sem divórcio,
O enternecedor concerto eviterno!
E antecedente de uma data magnânima
- Aquela grata, comovente… santa! -
Do nosso futuro: o casamento.”

 

Sendo assim, nem precisava eu acrescentar pra ela que encontrei nela toda a ventura e aventura que alguém possa sonhar. Mas, ainda assim, falei. E, com muita convicção, frisei que ela encontrou alguém que não vai medir esforços, nunca, para fazê-la a mais realizada mulher, em todos os sentidos. Eu me sinto tão orgulhoso e feliz por tê-la comigo, por ela aceitar-me como seu namorado! Ela que é muito bela e é sempre muito agradável olhar para ela. Principalmente porque ela convive com esta qualidade inata de forma serena, sem deixar-se dominar pela vaidade ou por arroubos frívolos e, por outro lado, jamais se coloca de forma pouco elegante, esteja no ambiente em que estiver, no colégio ou no lazer. É leal e muito séria, porém não perde o bom humor, é sabido por mim, é sabido por todos ao seu redor. Quantas vezes já me beliscou e fez piadas!? Ah! Ela é minha querida e me “judia”. E falar que estou com saudades dela, até de seus beliscões, não lhe faria muita surpresa, pois ela sabe que eu sempre estou com saudades, verdadeiramente. Sei que, hoje, ela está longe de mim e que essa distância que nos separa é fruto de uma circunstância alheia à nossa vontade, por isso precisamos ter paciência…

Aguarde-me, valiosa Jacy, e fique despreocupada! Ainda esse ano eu te vejo, eu te puxo, eu te beijo, e eu te darei toda a minha exação.

De coração,
Thúlio Jardim.

Nenhum comentário :

LinkWithin

Related Posts with Thumbnails
Google Analytics Alternative