terça-feira, 13 de abril de 2010

As Várias Versões do Hino Nacional Brasileiro

 

Neste espaço, você encontrará quatro versões do Hino Nacional Brasileiro (certamente poderia-se criar bem mais). A primeira é a versão “cantada” por Vanusa, diga-se totalmente trágica. A segunda é a oficial, cujas especificações legais (*) você lerá ao final. A terceira traz o Hino com seus versos na ordem direta de sua estrutura sintática; e a quarta versão é uma adaptação livre, ou seja, uma versão simplificada, a fim de facilitar o entendimento de alunos, principalmente os do ensino fundamental.

Tudo em função de hoje ser o Dia do Hino Nacional. 1ª Execução do Hino Nacional Brasileiro - 1831.


 

O Hino Nacional Brasileiro possui várias versões. Uma delas bastante trágica, que ganhou muito destaque na internet, tendo sido cantada por Vanusa. Aconteceu no 1º Primeiro Encontro Estadual de Agentes Públicos, em março de 2009, O vídeo foi pro YouTube dia 19 de agosto e rapidamente caiu no gosto popular. Claro, devido a sua tamanha “graciosidade”. Por sinal, umas da maiores vergonhas alheias dos últimos tempos da web.


KY - Bandeira do Brasil (Circo)

Vanusa simplesmente inventou nova letra e ritmo para o Hino Nacional Brasileiro. Quem assiste a cena, se imagina diante de um picadeiro. É digna de um espetáculo de circo dos mais ridículos. Veja o vídeo:

 


Se quiser acompanhar, vai a letra da versão da Vanusa:

"Ouviram do Ipiranga as margens plácidas
De um novo heróico e brado retumbante
E o sol da liberdade em raios fúúúúúlgidos
Brilhou no céu da pátria nesse instante
Se o penhor dessa igualdade
Conseguimos conquistar com braços fortes
Em teu seio, ó liberdade
Desafio o nosso peito a própria morte
Ó, pátria amada, idolatrada, salve salve
Brasil, um sonho intenso, um raio vívido
De amor e de esperança, a terra desce
Se em teu formoso céu risonho e límpido
A imagem do Cruzeiro resplandece
Gigante pela própria natureeeeezaaaaa
És belo, és forte, és risonho... (pausa longa) límpido
Se em teu formoso, risonho e límpido,
A imaaaaaaaagem do Cruzeiro (pausa longa)
Gigante pela própria natureza
És belo, és forte, impávidooooo colosso
E o teu futuro espelha essa grandeza
Terra dourada
Entre outras mil, és tu Brasil, ó pátria amada
PALMAS
Déitado em bérço esplendido ao som do maaaaar e luz do céu profundo
Fúlguras, óóó Brasil florão da América
Iluminado ao sol do novo mundo
Que a terra mais garrida
Teus risonhos lindos copos tem mais flores
Nossos bosques tem mais vida
Nossa vida, maaaaais amores
ò pátria amaaaada, idolatraaaaada, salve, salve
(Agradecemos a presença da cantora Vanusa)
Brasil, de eterno... (desligam o microfone)"

 

 

 


Agora vamos às demais versões, para uma análise mais séria:


O Hino Nacional Brasileiro não só tem uma das melodias mais lindas do mundo, como também é possuidor de uma letra poética tão rebuscada e bonita que nos dá orgulho. Acontece que, para muitos, o Hino Nacional não empolga justo por ter uma letra complexa, exigindo esforço para ser entendida.

Pensando nisso, o jornalista Aldo Pereira escreveu um livro sobre o Hino Nacional (“O Hino Nacional Brasileiro”) onde propõe que sua letra seja lida na ordem direta para uma melhor compreensão. Ele fez, também, um glossário com as palavras menos conhecidas. Seguem os dois:



Hino Nacional na ordem direta

A versão original
(na “ordem indireta”)

Versão para compreensão
(em ordem direta)

I

(1) Ouviram do Ipiranga as margens plácidas De um povo heróico o brado retumbante, E o sol da Liberdade, em raios fúlgidos, Brilhou no céu da Pátria nesse instante.

(2) Se o penhor desta igualdade Conseguimos conquistar com braço forte, Em teu seio, ó Liberdade, Desafia o nosso peito a própria morte!

(3) Ó Pátria amada, Idolatrada, Salve! Salve!

(4) Brasil, um sonho intenso, um raio vívido De amor e de esperança à terra desce, Se em teu formoso céu, risonho e límpido, A imagem do Cruzeiro resplandece.

(5) Gigante pela própria natureza, És belo, és forte, impávido colosso, E o teu futuro espelha essa grandeza.

(6) Terra adorada, Entre outras mil, És tu, Brasil, Ó Pátria amada! Dos filhos deste solo és mãe gentil, Pátria amada, Brasil!

 

II

(7) Deitado eternamente em berço esplêndido, Ao som do mar e à luz do céu profundo, Fulguras, ó Brasil, florão da América, Iluminado ao sol do Novo Mundo!

(8) Do que a terra mais garrida Teus risonhos, lindos campos têm mais flores; "Nossos bosques têm mais vida,

"Nossa vida" no teu seio "mais amores".

(9) Ó Pátria amada...

(10) Brasil, de amor eterno seja símbolo O lábaro que ostentas estrelado, E diga o verde-louro dessa flâmula - Paz no futuro e glória no passado.

(11) Mas, se ergues da justiça a clava forte, Verás que um filho teu não foge à luta, Nem teme, quem te adora, a própria morte.

(12) Terra adorada...

I

(1) As margens plácidas do Ipiranga ouviram o brado retumbante de um povo heróico, e, nesse instante, o sol da Liberdade brilhou, em raios fúlgidos, no céu da Pátria.

(2) Se conseguimos conquistar com braço forte o penhor desta igualdade, em teu seio, ó Liberdade, o nosso peito desafia a própria morte!

(3) Ó Pátria amada, idolatrada, salve! salve!

(4) Brasil, se a imagem do Cruzeiro resplandece em teu céu formoso, risonho e límpido, um sonho intenso, um raio vívido de amor e de esperança desce à terra.

(5) És belo, és forte, impávido colosso, gigante pela própria natureza, e o teu futuro espelha essa grandeza.

(6) Ó Pátria amada, Brasil, [apenas] tu, entre outras mil [terras], és terra adorada!

Pátria amada, Brasil, és mãe gentil dos filhos deste solo!

II

(7) Ó Brasil, florão da América, deitado eternamente em berço esplêndido, ao som do mar e à luz do céu profundo, fulguras iluminado ao sol do Novo Mundo!

(8) Teus campos lindos, risonhos, têm mais flores do que a terra mais garrida; [e assim como] "nossos bosques têm mais vida," [também] "nossa vida" no teu seio [tem] "mais amores".

(9) Ó Pátria amada...

(10) Brasil, o lábaro estrelado que ostentas seja símbolo de amor eterno, e o verde-louro dessa flâmula diga: - Paz no futuro e glória no passado.

(11) Mas, se ergues a clava forte da justiça, verás que um filho teu não foge à luta, quem te adora não teme nem a própria morte.

(12) Terra adorada...



Glossário

  • Margens plácidas - "Plácida" significa serena, calma. Esse é o tom desses versos. Ao contrário do hino de outras nações, o nosso não fala em guerras
  • Ipiranga - É o riacho junto ao qual D. Pedro I teria proclamado a independência. O Ipiranga nasce junto ao zoológico da cidade de São Paulo
  • Brado retumbante - Grito forte, que provoca eco
  • Penhor - Usado de maneira figurada, "penhor desta igualdade" é a garantia, a segurança de que haverá liberdade
  • Imagem do Cruzeiro resplandece - O "Cruzeiro" é a constelação do Cruzeiro do Sul, que brilha, ou resplandece, no céu
  • Impávido colosso - "Colosso" é o nome de uma estátua de enormes dimensões. Estar "impávido" é estar tranqüilo, calmo
  • Mãe gentil - A "mãe gentil" é a pátria. Um país que ama e defende seus "filhos", os brasileiros, como qualquer mãe
  • Florão - "Florão" é um ornato em forma de flor usado nas abóbadas de construções grandiosas. O Brasil seria o ponto mais importante e vistoso da América
  • Garrida - Enfeitada, que chama a atenção pela beleza
  • Lábaro - "Lábaro" era um antigo estandarte usado pelos romanos. Aqui é sinônimo de bandeira
  • Clava forte - Clava é um grande porrete, usado no combate corpo-a-corpo. No verso, significa mobilizar um exército, entrar em guerra

 

 


Todavia, há um vídeo muito bom, que pesquei no Youtube. Este sim foi feito de forma bastante apessoada! No estilo próprio dos jovens, haja vista que hoje é o Dia dos Jovens, ele não podia ficar de fora deste meu comentário.

Sabe, o vídeo que mostrei anteriormente não permitia a incorporação, o Youtube simplemente teve de bloquear mediante uma solicitação. Eu já imaginava isso, por conta do vexame que foi. Mas dei o meu jeitinho, como todo brasileiro!

Mas não vamos ficar falando de algo tão feio. O estrago já foi efetuado. Vamos ver a versão “jovial” do hino:

 

 

 

Por fim, o Hino Nacional Brasileiro com adaptação livre - versão que havia prometido logo no início deste artigo:

 

Versão (simplificada)

I

Nas margens tranqüilas do riacho Ipiranga se ouviu
Um grito muito forte de um povo heróico ,
E, nesse instante,
O sol da liberdade brilhou no céu do Brasil,
Com seus raios muito cintilantes.

Nós conseguimos conquistar, com muitas lutas,
A garantia de sermos iguais aos outros.
Ó Liberdade,
Desafiamos a própria morte
Quando estamos junto a ti.

Viva! Viva!
País amado e adorado.

Brasil, um sonho forte, como um raio muito luminoso,
De amor e de esperança desce à terra,
Se a imagem das estrelas do Cruzeiro do Sul,
Brilha em teu céu bonito, risonho e claro.

Pela sua própria natureza és um gigante,
Gigante corajoso, és belo, és forte,
E o teu futuro vai ser grande como tu.

Brasil , Pátria querida,
Entre tantas outras nações,
Tu és a mais adorada.

Brasil, Pátria amada,
És a mãe querida dos filhos
Que nasceram aqui!

II

Localizado para sempre em terras magníficas,
Banhado por um oceano e pela luz de um céu imenso,
Brilhas, Brasil, jóia das Américas,
Iluminado com o sol deste Continente.

Teus campos, risonhos e lindos,
Têm mais flores do que a terra mais enfeitada.
Nossas florestas têm mais vida.
Nossa vida mais amores,
Quando estamos junto de ti.

Viva! Viva!
País amado e adorado.

Brasil, que a tua bandeira estrelada
Seja um símbolo de amor eterno!
E que o verde-amarelo desta bandeira diga:
"Nós temos glórias no passado e no futuro teremos paz".

Mas se levantares a arma forte da justiça,
Verás que um brasileiro não foge de uma luta!
E quem te adora não tem medo nem da morte.

Brasil , Pátria querida,
Entre tantas outras nações,
Tu és a mais adorada.

Brasil, Pátria amada,
És a mãe querida dos filhos
Que nasceram aqui!

 

 

 

__________
(*) Lei n. 5.700 - de 1º de setembro de 1971

Art. 6º: O Hino Nacional é composto da música de Francisco Manoel da Silva e do poema de Joaquim Osório Duque Estrada, de acordo com o que dispõem os Decretos n. 171, de 20 de janeiro de 1890, e n. 15.671, de 6 de setembro de 1922, conforme consta dos Anexos ns. 3, 4, 5, 6 e 7.

Parágrafo único. A marcha batida, de autoria do mestre de música Antão Fernandes, integrará as instrumentações de orquestra e banda, nos casos de execução do Hino Nacional, mencionados no inciso I do artigo 25 desta Lei, devendo ser mantida e adotada a adaptação vocal, em fá maior, do maestro Alberto Nepomuceno.

PDF para Download - Legislação sobre o Hino Nacional.

 


 

 

2 comentários :

Irene Aguiar disse...

Muito interessante, mas prefiro, ainda, o original...rs

Thúlio Jardim disse...

Entendo, minha amiga Irene. O original, evidentemente, é mais poético... não?! E melódico também.

Contudo, a exposição que faço aqui é, simplesmente, para que as pessoas possam compreender o "sentido" do hino. Porque como ele "joga" com a ordem das frases, muita gente o canta sem saber bulhufas do seu significado.

Sabe, como aquelas rezas de quando criança que as pessoas acham que a única coisa importante é saber a letra, sem estar imerso no que se fala. Torna-se "repetitiva", sem razão de ser. Prefiro mesmo é conversar com Ele, descrever o que sinto, minhas angústias, imaginar que tenho alguém que me protege e confiar nele, por isso.

LinkWithin

Related Posts with Thumbnails
Google Analytics Alternative