segunda-feira, 18 de janeiro de 2010

Egoísta e Calculista

ESTA POESIA É BASEADA EM FATOS REAIS, que se sucederam quando eu saí de casa em direção ao trabalho, hoje pela manhã.

Não é uma das melhores já escrita por mim, porém está entre as mais recentes, verídicas e que foram feitas em menor espaço de tempo. Vamos a ela:

KY - Parada de Ônibus

Egoísta e Calculista
Thúlio Jardim, 18 de janeiro de 2010.

Hoje eu fiquei puto com o puto do meu irmão
Disse-me que saísse de casa antes dele,
Embora nós trabalhássemos juntos,
Porque, meu caro, ainda iria demorar muito…
Naquela ocasião, a espera de seu carro
Levaria muito mais do que alguns segundos…

Chegando eu na parada de ônibus
Infelizmente, restava-me pouco tempo
E, para piorar, nenhuma condução sequer passava
Quando eu, então, lobriguei próximo a uma lombada
O meu dito irmão que se aproximava
Com pressa, feito uma bala!

Pensava que não havia me visto
Até quando estávamos na labuta
Diante dele fiz um questionamento:
- Por que você não parou para mim, sua porra?!
Se fosse eu uma estagiária ou uma puta…
Não demonstraria similar egoísmo!

Fiquei ainda mais transtornado
Ao ouvi-lo explanar os motivos do seu bispar
Falou-me que sim, tinha me avistado…
Porém, para mim, não poderia parar
Senão também chegaria atrasado
E, financeiramente, nós seríamos dois lesados!

Logo, percebi, que além de consangüíneo egoísta
Ele mostrou a todos a sua face um tanto calculista
Correligionário dos interesses próprios!
Foi um safado! Tal que eu não me importo
Se a imagem dele virá assim tão denegrida,
É para que nunca mais ele me agrida…

Dessa forma, não me permita
Que eu oculte dos outros este meu ódio
Pois agora tanto me açoda!
A falar o quanto foi foda…
A falta de camaradagem…
Que, no meu mano, extrapola!

E não há uma gota
De sentimento, neste cara,
Que me fez perder 1/3 do ordenamento diário
O que já era pouco… agora se esgotara!
Como faço para apagar a mágoa, a dor?
E o meu alto saldo devedor?! Como pago?

5 comentários :

Hélio disse...

kkkkkk Essa foi triste![brincadeiras, à parte]dá pra perceber o ton sério do texto, mas apesar de trágico o poema foi trabalhado de maneira cômica, e não dá sinceramente pra deixar de dar umas boas gargalhadas. Confesso que ri a cada verso, embora compreenda e entenda o pesar e o desgosto do eu-lírico. Demais! Isso é que é saber resiginificar experiências, por isso te adoro, TJ!!

Thúlio Jardim disse...

Grato, amigo. Ainda bem que você percebeu que eu estava sendo cômico. Como o título é exaltado e forte, muitos podem achar que eu fui grosseiro e que os meus sentimentos são reais demais ou mais do que o acontecimento em si, que não demandaria tanto ódio assim. Evidentemente, é puro humor meu (humor negro, é verdade...) com uma situação do dia-a-dia. Eu gosto do meu irmão, mas ele às vezes vacila... E feio! Não dava para deixar passar essa daí.

Thúlio Jardim disse...

Ah, Hélio. Aproveita e veja o vídeo da próxima postagem, feita pelo meu amigo Low. O vídeo é bom e tem relação com o que escrevi aqui. O link eu acrescentei ao final da poesia.

Irene Aguiar disse...

Rsrsrsrs. acabei de perguntar onde postava seus poemas... e bingo! Descobri vasculhando! Apenas digo, gostei!
Voltarei mais. Sou uma vasculhadora(sera que me chamará de bisbilhoteira?) dos sentimentos ...rsrs Bjs.

Thúlio Jardim disse...

Minha vida é um "blog" aberto. Fique à vontade! Estarei aqui ansioso esperando sua visita. Abraço, querida! E volte sempre.

LinkWithin

Related Posts with Thumbnails
Google Analytics Alternative